MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

O arquipélago cubano

Meio milhão de seres humanos passaram pelo Gulag de Cuba. Como a população total de Cuba é de apenas cerca de onze milhões, isso dá ao despotismo de Castro a maior taxa de encarceramento político per capita na terra.
 
Nota do editor do site TruthRevolt:

A polícia cubana prendeu líderes dos dissidentes cubanos no domingo, numa tentativa de impedi-los de encontrar o Papa Francisco enquanto ele estava celebrando sua primeira missa em Havana. Nesta ocasião, TruthRevolt republica o artigo de Jamie Glazov de nossa edição de 26 de dezembro de 2014, que apresenta uma análise aprofundada da brutalidade cruel e sádica do regime de Fidel Castro.
Louco de raiva eu vou manchar meu rifle de vermelho, abatendo qualquer inimigo que cair em minhas mãos! Minhas narinas se dilatam, enquanto saboreiam o cheiro acre da pólvora e de sangue. Com a morte de meus inimigos preparo meu ser para a luta sagrada e juntar-me ao proletariado triunfante com um uivo bestial.
Ernesto 'Che' Guevara, Diários de Motocicleta

A recente decisão do presidente Obama de agradar a Cuba comunista é um momento de crucial importância não apenas diplomaticamente, mas como uma questão moral em relação aos direitos humanos, dignidade e justiça. Porque nós testemunhamos um Radical-in-Chief (radical no comando) [RADICAL-IN-CHIEF Barack Obama and the untold story of American Socialism, de Stanley Kurtz] lançando uma tábua de salvação econômica para uma tirania bárbara, é nosso dever e obrigação acender uma luz sobre a tragédia obscura do Gulag cubano – e refletir sobre o sofrimento indizível que os cubanos têm passado sob regime fascista de Castro.
Até 26 de julho de 2008, Fidel Castro tinha governado Cuba com punho de ferro durante quase cinco décadas. Naquela data, ele ficou de lado por causa de problemas de saúde e fez de seu irmão, Raul, governante de fato. Raul substituiu oficialmente seu irmão como ditador em 24 de fevereiro de 2008 o regime manteve-se tão totalitário como antes e pode, por razões óbvias, continuar a ser considerado e rotulado como regime "de Fidel Castro".
Tendo tomado o poder em 1º de janeiro de 1959, Fidel Castro seguiu a tradição de Vladimir Lenin e imediatamente transformou seu país em um campo de escravos. Desde então, Cuba tem se destacado como um dos mais monstruosos violadores dos direitos humanos no mundo.
Meio milhão de seres humanos passaram pelo Gulag de Cuba. Como a população total de Cuba é de apenas cerca de onze milhões, isso dá ao despotismo de Castro a maior taxa de encarceramento político per capita na terra. Houve mais de quinze mil execuções por fuzilamento. A tortura foi institucionalizada, numerosas organizações de direitos humanos documentaram o uso de choque elétrico, celas de isolamento escuras do tamanho de um  caixão mortuário, e espancamentos para punir os "elementos anti-socialistas." A barbárie do regime de Castro é melhor resumida pelo plano de Camilo Cienfuegos, o programa de horrores seguido no campo de trabalho forçado na Ilha de Pinos. Forçados a trabalhar quase nus, os prisioneiros forçados a cortar grama com os dentes e a sentar-se em valetas de latrinas por longos períodos de tempo. A tortura é rotina. [1]
A experiência horrível de Armando Valladares, um poeta cubano que suportou vinte e dois anos de tortura e prisão apenas por ter levantando a questão da liberdade, é um testemunho da barbárie do regime. As Memórias de Valladares, Against All Hope (Contra Toda a Esperança), servem como a versão de Cuba do Arquipélago Gulag de Solzhenitsyn. Valladares conta como prisioneiros eram espancados com baionetas, cabos elétricos, e cassetetes. Ele conta como ele e outros prisioneiros foram forçados a tomar "banhos" em fezes humanas e urina. [2]
Típico do horror no Gulag de Castro foi a experiência de Roberto López Chávez, um dos amigos de prisão de Valladares. Quando López iniciou uma greve de fome para protestar contra os abusos na prisão, os guardas o privaram de água até que ele começou a delirar, se contorcendo no chão e implorando por algo para beber. Os guardas, então, urinaram em sua boca. Ele morreu no dia seguinte. [3]
O culto da morte, por Castro, como outras ideologias de esquerda, acredita que o sangue humano purifica a Terra – e, como manifestações de pesar afirmam a realidade do indivíduo e, portanto, são um anátema para a totalidade – o luto pelos que partiram tornou-se um tabu. Assim, tal como na China de Mao e no Camboja de Pol Pot, [4] também a Cuba de Castro advertia os familiares de dissidentes assassinados para não chorarem em seus funerais. [5]
O regime de Castro também tem um histórico longo, grotesco de torturar e assassinar americanos. Durante a Guerra do Vietnã, Castro enviou alguns de seus capangas para executar o "Programa cubano" no campo de prisioneiros Cu Loc em Hanói, que ficou conhecido como "o Zoológico". Seu principal objetivo foi determinar o quanto de agonia física e psicológica um ser humano poderia suportar. Os cubanos selecionavam prisioneiros de guerra americanos como suas cobaias. Um cubano apelidado de "Fidel," o principal torturador no Zoológico, iniciou seu próprio reino pessoal de terror. [6]
A provação do tenente-coronel Earl Cobeil, um piloto de F-105, ilustra a natureza nazista da experiência. Entre as técnicas de tortura de Fidel haviam espancamentos e chicotadas sobre cada parte do corpo de sua vítima, sem perdão [7] O ex-prisioneiro de guerra John Hubbell descreve a cena quando Fidel empurrou Cobeil na célula do companheiro POW Col. Jack Bomar.:
O homem [Cobeil] mal conseguia andar Ele se arrastou lentamente, dolorosamente. Suas roupas estavam rasgadas em pedaços. Ele estava sangrando em toda parte, terrivelmente inchado, e sujo, amarelado preto e roxo da cabeça aos pés. A cabeça do homem estava  baixa ele não fez nenhuma tentativa de olhar para ninguém. . . . Ele ficou imóvel, com a cabeça baixa. Fidel amassou um punho no rosto do homem, levando-o contra a parede. Em seguida, ele foi levado para o centro da sala e fez descer sobre os joelhos. Gritando em fúria, Fidel pegou um pedaço de mangueira de borracha preta de um guarda e atacou-o tão duramente o quanto podia o rosto do homem. O prisioneiro não reagia não gritava nem mesmo piscava um olho. Sua incapacidade de reagir parecia alimentar a ira de Fidel e de novo ele chicoteava a mangueira de borracha no rosto do homem. . . . Uma e outra vez e outra vez, uma dúzia de vezes, Fidel esmagou o rosto do homem com a mangueira. Nem uma vez que o abuso temível suscitou a menor resposta do prisioneiro. . . . Seu corpo foi rasgado e quebrado em toda parte as algemas pareciam quase ter cortado os pulsos, as marcas de fita ainda enrolados em torno dos braços todo o caminho até os ombros, lascas de bambu foram embutidos nas canelas ensanguentadas e havia o que parecia ser  marcas de pneus da mangueira no peito, nas costas e pernas. [8]
Earl Cobeil morreu como resultado da tortura de Fidel.
O Maj James Kasler foi outra das vítimas de Fidel, embora ele tenha sobrevivido ao tratamento:
Ele [Fidel] privou Kasler de água, amarrou com fio seus polegares juntos, e o flagelou até que suas "nádegas, costas e pernas ficaram penduradas em pedaços." Durante um trecho da barbárie ele revezou com Cedric [outro torturador] por três dias com um chicote de borracha. . . . o prisioneiro estava em semi-coma e sangrando profusamente com um tímpano perfurado, costela fraturada, com o rosto inchado e os dentes quebrados, de modo que ele não podia abrir a boca, e sua perna novamente ferida de atacantes chutando-o repetidamente. [ 9]
O reinado de terror contra prisioneiros de guerra americanos no Vietnã foi apenas um reflexo do tratamento de Castro ao seu próprio povo. Além de dificuldades físicas, mesmo para aqueles que não iam acabar na prisão ou no campo de trabalho, o estado policial de Cuba negou aos cubanos qualquer liberdade. Os cubanos não têm o direito de viajar para fora do seu país. Eles não têm o direito de livre associação ou o direito de formar partidos políticos, sindicatos independentes, ou organizações religiosas ou culturais. O regime proibiu a liberdade de expressão tem constantemente censurado publicações, rádio, televisão e cinema. Há um Comitê de Defesa da Revolução Cubana (CDR) para cada quarteirão da cidade e cada unidade de produção agrícola. O objetivo do CDR é monitorar os assuntos de cada família e para relatar qualquer coisa suspeita. Uma vida inteira cubana é passada sob a vigilância de seu CDR, que controla tudo, desde as suas rações de comida para seu trabalho, à sua utilização do tempo livre. Um cruel racismo contra os negros acompanha esta repressão. Na Cuba pré-Castro, os negros desfrutavam de mobilidade social ascendente e servido em muitas posições governamentais. Na Cuba de Fidel Castro, a população carcerária é de 80 por cento de negros, enquanto a hierarquia governamental é 100 por cento branca. [10]
O comunismo cubano segue idéia de “igualdade” de Lênin e Stálin, em que os membros da nomenklatura vivem como milionários, enquanto os cubanos comuns vivem na pobreza absoluta. As prateleiras das lojas estão vazias, e os alimentos são racionados firmemente para o cidadão médio. Professores e médicos dirigem táxis ou trabalham como garçons para sustentar suas famílias. Sob o sistema de apartheid turístico, os cubanos comuns não são admitidos nos  hotéis designados para os turistas e funcionários do partido. Há, é claro, a polícia dentro de cada tal hotel para prender qualquer cidadão cubano não autorizado que se atreva a entrar.
O subsídio soviético de US $ 5 bilhões por ano que mal mantinha a economia cubana durante a Guerra Fria há muito tempo acabou. E, não obstante, os $ 110 bilhões que os soviéticos bombearam ao longo de décadas, Cuba tornou-se uma das nações mais pobres do mundo. Suas indústrias de açúcar, fumo e gado eram todas as principais fontes de exportação na era pré-Castro. Castro destruiu todas. [11] Por causa de sua crença no "socialismo ou morte", Cuba é hoje uma nação pedinte. Mesmo os refugiados haitianos evitam Cuba.
Negado o direito de voto sob Castro, os cubanos votaram com os pés. Cuba Pré-Castro tinha a maior taxa de imigração per-capita no hemisfério ocidental. Sob Castro, aproximadamente dois milhões de cidadãos cubanos (de onze milhões) escaparam de seu país. Muitos o fizeram, flutuando em jangadas ou câmaras de ar em águas infestadas de tubarões. Estima-se que 50.000-87.000 perderam suas vidas. [12]
Não contente em confiar nos tubarões, Castro envia helicópteros para soltar sacos de areia nas jangadas daqueles que tentam fugir, ou simplesmente dispara sobre todos eles. Uma síntese desta barbárie foi o Massacre do Rebocador, de 13 de julho de 1994, em que Castro ordenou que barcos de patrulha cubanos matassem quarenta e um civis desarmados – dez deles crianças – que estavam usando um velho rebocador de madeira em sua tentativa de fugir de Cuba cubano. [13 ]
Estas são as histórias de partir o coração, e apenas algumas entre muitas, do povo cubano que tem sofrido dor excruciante e agonia sob uma tirania do mal que agora, como está nas  últimas, está tendo sua vida prolongada por um presidente americano .
É alimento para o pensamento.
Notas:
[1] Para conhecer um dos melhores relatos da brutalidade do regime de Fidel Castro, consulte Pascal Fontaine, “Cuba: Interminable Totalitarianism in the Tropics” (Cuba: Totalitarismo Interminável nos Trópicos), in Courtois et al, O Livro Negro do Comunismo, pp 647-665...

[2] Armando Valladares, Against All Hope: A Memoir of Life no Gulag de Castro, trans. Andrew Hurley (San Francisco: Encounter Books, 2001), p. 137.

[3] ibid., P. 379.

[4] Para o caso da China, veja o capítulo 7 do meu livro, United in Hate: The Left’s Romance With Tyranny and Terror (Unidos no ódio Romance da esquerda com a tirania e terror) para o Camboja, ver John Perazzo, “Left-Wing Monster: Pol Pot” (Mostro da esquerda: Pol Pot," FrontPageMag.com, 08 agosto de 2005.

[5] Valladares, Against All Hopes (Contra toda a esperança), p. 378.

[6] Stuart I. Rochester e Frederick Kiley, capítulo 19, "The Zoo, 1967-1969: The Cuban Program and Other Atrocities” (O Programa cubano e outras atrocidades", em homenagem aos prisioneiros de guerra americanos no Sudeste Asiático 1.961-1.973 (Annapolis: Naval Institute Press , 1999).

[7] Humberto Fontova, Fidel: Hollywood’s FavoriteTyrant (Fidel: o tirano favorite de Hollywood), (Regnery, 2005). pp. 141-142.

[8] Rochester e Kiley, Honor Bound, p. 400.

[9] ibid., P. 404.

[10] Fontova, Fidel, p. 88.

[11] Ibid., Pp. 14-15 e 49.

[12] Ibid., 8 pp. 56-57 e.

[13] ibid., Pp. 157-163.


Para obter toda a história sobre por que os esquerdistas veneram a tirania de Castro, solicitar de Jamie Glazov: United in Hate: The Left Romance With Tyranny and Terror (Unidos no ódio: o Romance da esquerda com a tirania e o Terror).

Tradução: William Uchoa