MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

A REFORMA MINISTERIAL

A REFORMA MINISTERIAL

30/09/2015


A reforma ministerial empreendida pela presidente Dilma Rousseff foi a esperada. Entregou sete pastas ao PMDB e a Casa Civil a alguém de confiança do ex-presidente Lula. Pouco sobrou da composição do seu ministério original, pois quando ganhou o segundo turno das eleições achou que finalmente estava livre de Lula e que poderia diminuir o poderio do PMDB. Tudo deu errado e ela realisticamente agora fez prevalecer a verdade política dentro do seu ministério.

É um ministério de transição, o de agora, prova cabal de que a presidente está enfraquecida e pode ser removida do poder. Ela só procedeu às mudanças porque a alternativa seria renunciar. O movimento em pinça feito pelo PMDB e pelo PT de Lula esvaziaram de vez o que restava de sua liderança. Na melhor das hipóteses terá um final de governo bisonho; na pior, será removida do poder pelo impeachment. O PMDB provou que tem poder para tal.

Já o PT está se esvaziando com a fuga dos seus quadros para outras agremiações, principalmente para o PSB e o Rede. Estamos assistindo ao raro fenômeno da morte de uma marca partidária de peso, igualmente como vimos acontecer com a velha marca PCB. As investigações da Justiça sobre a corrupção sistêmica implantada pelo partido na condução dos negócios do Estado, bem como as respectivas condenações, desmascararam seu modo de governar e o descredenciaram diante da opinião pública. A pesquisa do Ibope divulgada hoje, de que o governo de Dilma Rousseff é considerado bom por apenas 10% dos brasileiros, revela o estado terminal de sua popularidade. Está na antessala da sua cassação.

O problema que se apresenta é que o PSDB tem tido como aliado preferencial o PSB, agora reforçado pelos quadros fugidos do PT. A se manter essa aliança nas eleições presidenciais veremos o eixo de poder se deslocar em direção à esquerda. Durante o governo de FHC o PFL fazia o contraponto à direita do governo socialdemocrata. O PMDB tem feito contraponto ao PT. Uma eventual vitória de uma aliança assim deslocará o eixo político perigosamente. A pergunta importante é saber se tal aliança poderá sair vitoriosa nas eleições, uma questão em aberto, em face do grande lapso de tempo até o pleito.

Estamos vendo o ocaso político e eleitoral do PT, que deverá se tornar um partido nanico e sem ter condições de voltar ao poder por longo tempo. O fato é que suas ideias políticas, contudo, continuarão em outras legendas e o socialismo assim permanecerá como ameaça permanente contra os brasileiros, a cada momento camuflado em uma sigla. É como no filme Homens de Preto: a esquerda parece ter uma maquininha capaz de apagar a memória das pessoas e, pior, de inocular nelas a falsa memória de que os tempos de governo da esquerda foram os melhores.

Quem viver verá.